Passar um tempo estudando no exterior é o tipo de experiência que não só agrega valor ao currículo, mas fica na memória de muitos jovens depois de voltarem ao Brasil. Os melhores países para intercâmbio permitem contato com outras culturas e a experiência estimula o amadurecimento e o senso de independência.

Além disso, apesar de os cursos de línguas serem os mais comuns, também é fácil encontrar oportunidades para desenvolver outras habilidades relacionadas à profissão. Existem cursos para a área de audiovisual, artes, indústria criativa etc.

Neste artigo, você vai conferir dez opções de países e o que eles oferecem de melhor, além de conhecer as melhores escolas em cada um! Leia e comece a planejar seu intercâmbio!

1. Irlanda

A Irlanda é um dos países favoritos dos intercambistas brasileiros. As atrações históricas, a vida noturna e a chance de aprender o inglês britânico sem ter que estar necessariamente na Inglaterra são alguns dos destaques do país.

Dublin tem cerca de 1 milhão e 300 mil habitantes. Na capital, o ritmo não é tão acelerado como em outras cidades grandes da Europa, mas nem por isso há espaço para o tédio. É uma opção perfeita para jovens que desejam conhecer pessoas de outros lugares do mundo e que gostam de bares.

A cidade também é uma ótima opção para quem é da área de tecnologia. A região de Silicon Docks tem escritórios de grandes empresas, como Apple, Facebook, Airbnb e Twitter.  

2. Estados Unidos

Os Estados Unidos têm opções para todos os gostos. Além de cidades com história, clima e perfis muito variados, as escolas de intercâmbio por lá também oferecem todo tipo de cursos. A dica é: se for escolher o país, procure capacitações que não sejam apenas de línguas.

Algumas das melhores universidades do mundo estão lá e oferecem cursos de extensão. Antes de decidir estudar nos EUA, é necessário se adequar às regras impostas aos viajantes, como a retirada do visto. Quando o curso não ultrapassa 18 horas semanais, é possível ir com o de turista.

Difícil mesmo é escolher entre as cidades. Como os Estados Unidos têm um território extenso, nem sempre é viável conhecer muitos cantos do país durante o intercâmbio. Por isso, considere a região da cidade que você escolheu e deixe outros pontos turísticos para uma próxima viagem internacional.

São Francisco, por exemplo, é uma opção muito procurada. É próxima de Los Angeles e tem outras cidades californianas com atrações incríveis bem perto. Já na costa oposta, Nova York é próxima a Boston e à capital Washington. Como há muita oscilação do dólar, vale a pena se planejar para gastar menos com o câmbio.

3. Canadá

Você sabia que também é possível estudar francês no Canadá? A parte leste do país teve colonização francesa e ainda mantém a língua na província de Quebec.

Procure por escolas e cursos oferecidos em Toronto, Montreal, Quebec e Vancouver. Nessas cidades, estão as maiores universidades e escolas. Todas elas com um clima bastante frio, então, também considere a temperatura antes de decidir.

Outras vantagens do país são a qualidade de vida e a abertura a imigrantes estrangeiros — por isso, conseguir o visto para lá é bem simples. Por fim, a moeda corrente é o dólar canadense, que, em geral, é mais barato que o norte-americano.

4. Austrália

Escolher países como a Austrália para fazer um intercâmbio é uma opção para quem deseja aproveitar a viagem e visitar lugares incríveis. O país é conhecido por sua fauna única e pela presença da natureza. Além disso, tem qualidade de vida com níveis europeus.

As escolas ficam nas principais cidades, como Sydney, Melbourne e Perth. Assim como em outros países, é possível trabalhar e estudar na Austrália. Com o visto de estudante, é permitido trabalhar até 40 horas quinzenais. Se o curso tiver férias, o tempo máximo de trabalho é ilimitado.

5. África do Sul

Fazer intercâmbio na África do Sul é barato, devido a desvalorização da moeda rand frente ao real, e é uma experiência completamente diferente dos países mais tradicionais. Não só porque é possível visitar safáris e cenários de cair o queixo, mas também pela história local.

Colonizado pela Inglaterra, o país tinha brancos na elite política durante o século XX, responsáveis por implantar um regime de segregação de negros — o conhecido Apartheid. Na Cidade do Cabo, preferida dos intercambistas, existem museus que contam a história do período.

6. Malta

Sol, praias com água azul e custo de vida barato: essas são as principais vantagens de estudar em Malta, uma ilha europeia no meio do mar Mediterrâneo. O país é pequeno, mas tem uma população grande, com muitos imigrantes do Oriente Médio, do norte da África e de outros locais da Europa.

A moeda vigente é o euro, mas como os cursos são mais baratos do que em outros países do continente, o intercâmbio sai mais em conta, tanto se você procurar uma escola por conta própria como se fechar com uma agência brasileira.

É permitido trabalhar e estudar, mas apenas a partir do terceiro mês no local. Para conseguir uma oportunidade, os estudantes podem fechar cursos menores e estender para mais meses.

7. Espanha

Apesar de a procura por estudar inglês ser alta, também é possível fazer intercâmbios em países que falam espanhol. A vantagem de escolher a Espanha para ter esse aprendizado é que você estará a poucas horas de outros locais incríveis da Europa.

O país faz divisa com França e Portugal e também fica próximo da Inglaterra e da Itália. A Espanha é conhecida pelo seu clima quente, pelas cores e pela gastronomia. Assim como nos países vizinhos, sua culinária é chamada de mediterrânea. Nas cozinhas espanholas, não faltam azeites, peixes, vinho e queijos.

As melhores cidades para fazer cursos são Madri, Sevilha e Barcelona. Nessa última, fala-se mais a língua catalã, mas também é possível encontrar escolas de espanhol por lá. Ah, uma última vantagem: os custos de viagem para esse destino são bem mais baixos do que em outros pontos badalados da Europa.

Agora você já conhece os melhores países para intercâmbio e sabe o que cada um deles tem de melhor. Os Estados Unidos têm uma variedade enorme de cidades. Já os países da Europa são bem menores, com oportunidades para intercambistas mais presentes nas capitais. Para sair do óbvio, vale a pena considerar Austrália, África do Sul e Malta!

Gostou das nossas dicas? Então, veja quais são os documentos que não podem faltar na hora de uma viagem internacional.

Escreva um comentário

Share This